Saúde Mental e home office: como ficar em paz com o trabalho

Pesquisa identifica síndrome de burnout e depressão em profissionais da saúde
26 de agosto de 2021
ABP lança campanha Setembro Amarelo 2021: “agir salva vidas”
5 de setembro de 2021

Exhausted tired woman working using on laptop holding head in hand sitting in kitchen at home. Young girl studying or working indoors. Freelance business quarantine concept

Em julho passado, o clínico geral Valmir Crestani Filho, do Hospital das Clínicas de São Paulo, postou um desabafo em suas redes sociais: “Este ano, ouvi de três pacientes: ‘Doutor, me prescreve uma vitamina?’”. O primeiro era um carcereiro. Depois de uma rebelião, passou a sofrer de estresse pós-traumático. Queixa: falta de libido. A segunda era uma diarista. Saía de casa às 4 da manhã e voltava às 8 da noite. Queixa: cansaço. O terceiro era engenheiro. Dirigia Uber 14 horas por dia. Queixa: desânimo. “Não há vitamina que trate uma sociedade doente”, diagnosticou o médico.

Falta de libido, cansaço e desânimo são três dos muitos sintomas de problemas emocionais ou transtornos mentais propriamente ditos descritos por trabalhadores brasileiros que procuraram consultórios ou hospitais nos últimos tempos.

Segundo o estudo Trabalho e Sofrimento Psíquico: Histórias Que Contam Essa História (2019), que deu origem ao livro homônimo escrito por Thatiana Cappellano e Bruno Carramenha, as queixas mais comuns nesse contexto são estresse (76%), ansiedade (75%) e desânimo (65%).

“E não adianta tratar os sintomas se não resolvermos a origem do problema”, analisa Crestani. “Vivemos em uma sociedade em que um número grande de trabalhadores se submete a jornadas estressantes para concentrar renda nas mãos de um número reduzido de pessoas. Se eu pudesse prescrever um remédio para tratar essa situação, prescreveria o combate à desigualdade social”, completa o médico.

Ainda assim, dá para dizer que o sofrimento psíquico ligado ao trabalho é bem democrático: afeta do assistente ao CEO da empresa. Na pesquisa citada anteriormente, de 754 entrevistados, quase oito em cada dez relataram que o emprego pesava em seu bem-estar emocional.

Não é de hoje, portanto, que os ambientes laborais (físicos ou virtuais) podem se tornar patogênicos. E por inúmeras razões. A principal, segundo um levantamento da Kenoby, startup de recrutamento e seleção, é a falta de diálogo entre funcionários e gestores. Também dificultam as coisas a ausência de feedbacks e de espaço para troca de opiniões, o assédio moral e a criação de metas inatingíveis.

“No modelo convencional, uma das práticas mais comuns envolve exigências abusivas de produtividade aliadas a metas demasiadamente elevadas”, afirma Maria Elizabeth Antunes Lima, doutora em sociologia do trabalho pela Universidade de Paris.

“No remoto, os profissionais se sentem obrigados a dar respostas imediatas porque os meios de controle passaram a ser onipresentes e as empresas ficam mais à vontade para administrar seus empregados”, conclui.

Se até pouco tempo atrás, quando o trabalho ainda era predominantemente presencial, o tema da saúde mental já era motivo de preocupação, hoje em dia, com a consolidação do modelo a distância após a pandemia da Covid-19, tornou-se um grito de alerta.

Os rivais do bem-estar

Os problemas psíquicos que podem começar ou se agravar no trabalho

Estresse crônico: o estresse é um mecanismo natural de defesa do organismo. Mas, em doses altas ou persistentes, pode trazer graves danos — emocionais e físicos.

Ansiedade: é aquela sensação constante de que é preciso fazer algo ou alguma coisa está errada. Se persistir por mais de seis meses, procure um médico.

Depressão: estado de angústia permanente que chega a fazer algumas pessoas não saírem da cama. É diferente, portanto, de tristeza, um sentimento passageiro.

Pânico: o transtorno é marcado por crises com falta de ar ou taquicardia, que precisam ser socorridas. Situações estressantes no emprego podem contribuir para o quadro.

Burnout: é a exaustão física, mental e emocional diretamente ligada ao trabalho. Exige apoio médico e psicológico — e compreensão e respaldo da empresa.

O tamanho do problema

Um estudo recente da Fundação Getulio Vargas (FGV) com 464 participantes mostra que 56% tiveram dificuldades para equilibrar a vida pessoal e a profissional durante a pandemia. E 48% relataram aumento da carga de trabalho.

“Um dos problemas do modelo remoto é a dificuldade de separar o tempo dedicado ao emprego daquele dedicado ao descanso, ao lazer e à convivência familiar”, nota a psicóloga Renata Paparelli, doutora em psicologia social e do trabalho pela Universidade de São Paulo (USP).

“No atual cenário, em que os direitos trabalhistas também estão ameaçados, as pessoas se submetem a qualquer coisa para não perder o emprego, e trabalham em espaços improvisados ou sob condições adversas”, avalia.

Mas digamos que mesmo quem labuta em ritmo ou local mais apropriados sentiu o baque com a pandemia. Uma pesquisa da Ipsos realizada para o Fórum Econômico Mundial, a One Year of Covid-19, revela que 53% dos brasileiros relataram piora em seu estado psicológico.

Os maiores inimigos do bem-estar foram o estresse — desencadeado por mudanças na rotina de trabalho para 56% das pessoas — e a ansiedade (seis em cada dez estavam tensas por medo de perder o emprego). Na média global, 45% dos 21 mil entrevistados afirmaram que sua saúde mental entrou em pane no último ano.

“Trabalhar pode ser uma experiência enriquecedora. Mas também pode causar muito sofrimento”, afirma a psicóloga Carla Faiman, doutora pela USP e autora do livro Saúde do Trabalhador: Possibilidades e Desafios da Psicoterapia Ambulatorial.

“Vemos uma quebra dos laços de solidariedade no trabalho. O medo de perder o emprego intensifica a competitividade e a relação entre colegas passa a ser mais pautada por rivalidade do que por apoio mútuo”, observa. O ambiente tóxico, por sua vez, alimenta essa outra pandemia que anda ao lado da Covid-19: a dos transtornos mentais.

O número de licenciados por depressão e ansiedade no país aumentou 33,7% e passou de 213 mil, em 2019, para 285 mil, em 2020. Hoje é a terceira causa de afastamento do trabalho, atrás somente de lesões ocupacionais e de comprometimentos musculares, ósseos ou articulares. Se nenhuma providência for tomada, o estrago será incalculável.

“No Brasil, o adoecimento mental já vinha em um crescente. Mas, com a chegada da pandemia, tudo piorou”, sentencia a médica Rosylane Rocha, presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho. “Por um lado, os trabalhadores não conseguem recuperar sua capacidade laboral por causa da cronificação da doença. Por outro, o aumento no número de casos de afastamento traz impactos negativos para a produtividade da empresa”, resume.

A pesquisa Os Impactos da Saúde Mental no Trabalho do Colaborador Brasileiro, realizada com 488 profissionais do setor, corrobora a tese de que a epidemia de transtornos psíquicos não compromete apenas a saúde do trabalhador.

Além da queda de produtividade (36,6%), outros danos são a falta de engajamento (23,3%) e o crescimento da rotatividade (19,6%). “Só que a saúde mental ainda é tabu na maioria das empresas”, aponta Alexandre Pellaes, mestre em psicologia do trabalho pela USP. “Muitas preferem fazer vista grossa a enfrentar o problema. Enxergam a pessoa como doente, e não o sistema como tóxico”, critica o psicólogo.

Luzes no túnel

A situação, porém, está começando a mudar. O número de empresas que têm alguma iniciativa voltada ao bem-estar mental de seus funcionários só cresce. Segundo levantamento da consultoria Mercer Marsh, saltou de 34%, em 2015, para 46%, em 2019.

“O primeiro passo é criar um ambiente em que as pessoas se sintam confortáveis para se expor diante das outras sem medo de serem julgadas ou punidas. A isso damos o nome de segurança psicológica”, explica a psicóloga organizacional Edwiges Parra, da consultoria Emind Mente Emocional. “Algumas empresas já entenderam que, se não estiverem engajadas na promoção da saúde mental, estão fadadas a sumir do mercado. É um caminho sem volta”, diz.

Algumas das ações mais disponibilizadas pelas 611 empresas ouvidas na pesquisa da Mercer Marsh foram massagens (53%), programas de assistência (49%), salas de descompressão (28%), meditação (17%) e atendimento psicológico (16%).

Renata Rivetti, diretora da consultoria de felicidade corporativa Reconnect, aponta outras iniciativas, como a criação de espaços de trocas positivas, como um clube de leitura, para conectar mais as pessoas, e de break times, um tempo livre demarcado na agenda.

“Sim, dá para ser feliz no trabalho. Mas, para termos um ambiente mais produtivo e prazeroso, precisamos de um trabalho que nos desafie e tenha um propósito. Se for algo muito fácil de ser feito ou que não tenha a ver com nossos valores, ficaremos apáticos e desmotivados”, argumenta Renata.

Boas práticas

Dá pra transformar um ambiente pesado num lugar acolhedor. Veja o que cabe a líderes e liderados

Empresa

+ Realismo saudável: não dá para sobrecarregar a equipe com prazos e metas inalcançáveis. Colaboradores infelizes adoecem mais e derrubam a produtividade de qualquer companhia.

+ Diálogo é tudo: bão basta oferecer sessões de massagem e meditação. É essencial ouvir o que os funcionários têm a dizer. Estimule conversas e feedbacks. E pergunte como tornar o ambiente mais empático.

+ Respeito ao horário: não marque reuniões na hora do almoço nem mande mensagens ou e-mails antes das 9 ou depois das 18h. Lembre-se: sábados, domingos e feriados foram feitos para o descanso.

+ Orientação mental: promova e distribua conteúdos sobre saúde emocional. E instrua as equipes a identificarem os primeiros sinais de ansiedade, depressão ou burnout. Fornecer assistência psicológica também é bem-vindo.

Funcionário

+ Organize-se: estabeleça prioridades. Se possível, só comece a executar uma tarefa depois que tiver concluído a anterior. Isso aumenta as chances de fazer as coisas bem feito — e a não se desesperar.

+ Cuide de você: estabeleça os limites entre a vida profissional e a pessoal. Fora do expediente, alimente-se bem, durma direito, faça exercícios e procure relaxar. A chefia tem que entender essa fronteira.

+ Faça pausas: a cada 90 minutos trabalhados, descanse entre dez e 15. Mas, durante o trabalho, evite distrações. Desligue as notificações do celular ou feche as redes sociais. Mantenha o foco!

+ Converse sempre: se algo (ou alguém) o incomoda, procure verbalizar sua insatisfação. Muitas vezes, o outro não sabe que está sendo tóxico. Se não der certo, procure o RH e conte o que aconteceu.

Mudança de página

As iniciativas também vão além de rodas de conversa ou sessões de ioga. A Ambev investiu, entre outras ações, em aplicativos de saúde mental, como ZenKlub e Caliandra. O primeiro oferece sessões de terapia online e o segundo, suporte em emergências psiquiátricas.

“Nosso objetivo é garantir um ambiente onde as pessoas possam desenvolver um sentimento de pertencimento e se tornar mais felizes por enxergar que estão fazendo a diferença”, afirma Mariana Holanda, head de Saúde Mental, Diversidade e Inclusão do grupo.

O número de empresas que, a exemplo da Ambev, contrataram serviços de psicoterapia virtual aumentou 580% no último ano. “O aplicativo da Vitalk conta com conteúdos e exercícios que podem ser acessados a qualquer hora e em qualquer lugar. Um deles ensina o usuário a fazer uma técnica de respiração de três minutos”, exemplifica Michael Kapps, CEO e cofundador da empresa especializada em saúde mental.

A Vitalk é um dos parceiros do movimento Falar Inspira Vida, idealizado pela Janssen e que acaba de lançar o guia Depressão — Como Acolher no Ambiente de Trabalho, com conselhos para criar um ambiente empático e agir no dia a dia.

“Queremos promover uma mudança no tom da conversa sobre depressão. Por meio do correto entendimento da doença, que não é frescura nem falta de vontade, a sociedade estará mais bem preparada para acolher as pessoas que sofrem”, sintetiza Patrícia Queijo, diretora de RH da Janssen.

Para outra farmacêutica, a GSK, uma das principais apostas foi a realização de seminários virtuais focados na saúde em geral e sobretudo no bem-estar mental. Entre outros resultados, a companhia registrou queda de 50% no risco de burnout nos colaboradores.

“Nosso propósito é ajudar as pessoas a se sentir melhor e a viver mais. Então precisamos começar por nós mesmos”, justifica Marina Tavares, gerente do Programa de Saúde e Bem-Estar da empresa.

Já a Unilever instituiu, em tempos de home office, as “regras de ouro”. Os gestores são orientados a não agendar reuniões no horário de almoço ou depois das 18h. E, às sextas, as reuniões só devem ocorrer pela manhã, e, entre uma e outra, é recomendado um intervalo mínimo de dez minutos.

“A saúde do colaborador é fundamental para a saúde da empresa”, crava Ana Paula Franzoti, diretora de Desenvolvimento Organizacional e Cultura da gigante de bens de consumo. “Fazendo o que gostam, as pessoas prosperam, tanto pessoal quanto profissionalmente.”

A executiva Dyene Galantini sabe melhor que ninguém como uma rotina estressante de trabalho mexe com a saúde mental. Há 20 anos, ela recebeu o diagnóstico de transtorno bipolar. Durante as crises depressivas, sentia-se no fundo do poço. Não tinha ânimo para levantar-se da cama, escovar os dentes ou tomar banho.

Durante os picos de euforia, sentia-se no topo do mundo. Quase não conseguia dormir — virava as noites trabalhando. “Comparo a euforia à sensação de ganhar na loteria. E a depressão ao desinteresse de buscar o prêmio”, diz a autora do livro Vencendo a Mente. Em uma de suas piores crises, ela chegou a pensar em suicídio e a ser internada por 12 dias em uma instituição psiquiátrica.

Desde então, Dyene não só mantém o acompanhamento médico e psicológico como redobrou os cuidados para não sofrer no trabalho. Evita expedientes de longas horas, recusa prazos impossíveis e aprendeu a impor limites, com frases do tipo “Agora estou jantando” ou “Hoje é sábado!”.

“Levo meu transtorno muito a sério. No meu caso, gerenciar o estresse não é opção, é questão de sobrevivência”, afirma. Convenhamos que talvez não seja só o caso dela.

Fonte: Veja Saúde

Autenticação do Certificado